Menu

Todos os Materiais Esterilizados em Autoclave

* * * Avaliação Gratuita * * *

Faça-nos uma visita!

Conheça nosso espaço reservado especialmente para você

Tel:(63)3225-5736 fixo (63)8133-4451 Tim

Quadra 103 Norte Avenida LO 02 Lote: 48 Sala: 05

CALOS E CALOSIDADES


Por que eles aparecem? e o que fazer para se livrar deles?
O calo, tiloma na linguagem médica, é o endurecimento da pele, formado em determinado ponto, por compressão ou fricção contínua. Geralmente, possui um núcleo central, onde há maior quantidade de células. Seu formato é como um cone no qual a base está voltada para a parte externa e a ponta encontra-se na parte interna da pele. A pressão, geralmente causada pelo calçado, é que provoca dor intensa.
Os calos e calosidades são o preço que pagamos pela negligência com os pés. Eles são muito semelhantes, diferindo apenas quanto ao local do acometimento. Os calos se desenvolvem nas saliências ósseas da parte de cima dos dedos.
Calosidade ou tiloma é o resultado da produção exagerada de pele em região que sofre pressão ou atrito constante. É mais comum nas plantas dos pés, principalmente sobre saliências ósseas das articulações. É diferente do calo por não possuir núcleo central. Seu desaparecimento é espontâneo quando a pressão que o causou é removida.

CAUSAS E ANATOMIA:
A formação de calos ou calosidades é uma tentativa de proteção do nosso corpo. São camadas extras de pele que se formam em locais sob constante fricção ou pressão, devido a situações tais como sapatos apertados e atritos sobre os pés.
A formação do calo tem os seguintes estágios:
• Período de hipersensibilidade. Nessa fase só existe uma discreta celulite com extravasamento de líquido e discreto espessamento da camada córnea da epiderme.
• Período doloroso. Pode-se localizar facilmente a região do calo. O contato da camada hipertrófica de queratina com o corpo capilar, rico em terminações nervosas, causa muita dor. Complicações:

O que aparentemente era simples pode se complicar, dando lugar, sob essa região, à formação de uma bolsa serosa chamada higroma e uma discreta reação de um processo inflamatório ali instalado.
Com a continuidade das forças e do atrito sobre a região do calo, surgem pequenas fissuras pelas quais penetram agentes infecciosos que atingem o higroma, formando um abscesso. Também é possível aparecer uma osteíte do osso subjacente ao processo.


A progressão do quadro culmina com a fistulização do abscesso. A deposição do tecido fibroso, na tentativa de circunscrever o processo, agrava ainda mais a ação das pressões locais. O osso, agora envolvido diretamente pela infecção, sofre progressiva necrose séptica, facilitando a instalação de foco osteomielítico.
Tipos:

• Joanete. Produzido pela pressão sobre a cabeça do primeiro metatarsiano, aumentando com a deformidade do hálux.
• Calos dos dedos em garra/martelo. Ocorre na face dorsal das articulações interfalângicas.
• Mole ou interdigital. Produzido pela ação contínua de uma articulação inter-falângica ou metatarsofalângica contra as suas vizinhas. Umidade característica da região interdigital mantém a lesão amolecida e favorece a ulceração.
• Sub-ungueal/peri-ungueal. Causado por pressões sobre as estruturas que envolvem a unha ou sobre a própria unha
• Calo do sesamóide. Aparece na região plantar e é um dos calos mais dolorosos.
• Calo da borda externa do quinto dedo. Uma dos mais comuns encontrados nos pés e acontece, na maioria das vezes, por causa do posicionamento em garra do quinto dedo. É conhecido como calo duro, por suas características.

TRATAMENTOS
Como o calo é resultante de pressões que atuam sobre regiões ou estruturas específicas, o tratamento lógico é a suspensão da causa determinante das pressões. É necessária uma análise para cada caso, a fim de se determinar qual a melhor maneira de resolver o problema.
Uso de calçados especiais, com câmaras anteriores amplas, sapatos de material macio, palmilhas de descarga, palmilhas monobloco para redistribuição de cargas, espaçadores digitais, solas convexas e de material viscoelástico, lâminas e calços de silicone, tudo isso é válido e deve sempre proceder qualquer indicação de cirurgia.
Pode-se também empregar recursos químicos tais como ácido salicílico, ácido acético, resorcina, para o debriamento das hiperqueratoses, mas nunca independente de orientação profissional especializada.

Nilva Macedo da Costa
Fone
(63) 8133-4451 Tim (63) 8422-9407 Oi